Como é um programa de membros quando o jornalismo está sob ameaça?

Muitas das recomendações deste guia baseiam-se no pressuposto de que é seguro para você falar publicamente sobre quem são os seus repórteres e os seus membros, assim como sobre suas pautas e de onde vem seu dinheiro. Isso, é claro, não é uma verdade universal. O MPP incentiva os meios de comunicação que trabalham em ambientes autoritários e iliberais a verem essas recomendações como ideias catalisadoras, em vez de instruções. 

O Rappler, das Filipinas, cuja fundadora Maria Ressa foi condenada por difamação cibernética em 2020, é o exemplo que mais chama a atenção no momento desta publicação. Mas, da Hungria à Malásia e ao Brasil, um ataque à imprensa complicou alguns dos princípios básicos de um programa de membros, especialmente os ligados a transparência e participação.

No momento desta publicação, o editor-chefe do Malaysiakini, Steven Gan, enfrentava acusações de desacato a um tribunal em função de comentários feitos por leitores sobre uma matéria. Isso diminuiu a vibração da Comunidade Kini, a sua comunidade online, devido à preocupação de que o Malaysiakini possa ser forçado a revelar quem são seus os assinantes e membros, e que o governo possa retaliá-los de alguma forma. O Malaysiakini tem um modelo híbrido que oferece aos assinantes a oportunidade de participarem nas atividades dos membros, incluindo a Comunidade Kini, mas não exige isso, em parte porque ser um “membro” da Malaysiakini é mais arriscado do que ser um assinante. 

 

Por que o Malaysiakini combinou um programa de membros com assinaturas?

Diante dos ataques do governo, o Malaysiakini entendeu que o status de 'membro' poderia deixar algumas pessoas nervosas. Eles sabiam, contud

O Atlas.zo, na Hungria, enfrenta esse desafio há anos. Na conferência da Global Investigative Journalism Network (GIJN) em 2019, o editor Támas Bodoky recomendou que os meios de comunicação permitam que as pessoas façam contribuições monetárias anônimas, inclusive por meio de ordens de pagamento, e que utilizem as agressões por parte do governo como mais uma razão para apoiar um meio de comunicação. 

Em situações em que um alto nível de transparência pode causar danos emocionais ou físicos à sua equipe, você pode, em vez de divulgar no que está trabalhando ou quem são seus funcionários, compartilhar o que puder sobre por que você está protegendo as informações, e como o fato de fazer isso se relaciona com sua missão.