Como transformamos um caminho de participação em uma rotina de membros?

Depois de identificar o caminho de participação correto para o seu público, você pode começar o processo de transformar esses caminhos em rotinas de membros — em outras palavras, em maneiras de repetir esses expedientes continuamente, até que se tornem parte do seu fluxo de trabalho normal. 

Passar de um projeto de participação para uma rotina de membros envolve estas etapas: 

  1. Identificar um caminho de participação que corresponda à motivação do público para participar e que também atenda aos seus objetivos, produzindo valor para o seu veículo 
  2. Formular uma versão com um Produto Mínimo Viável (MVP, em inglês) desse caminho 
  3. Testar o seu MVP e reunir dados ou insights 
  4. Avaliar o sucesso do MVP com uma retrospectiva 
  5. Adaptar o caminho de participação com base no feedback da retrospectiva
  6. Repetir as etapas 3, 4 e 5.

Você também vai querer conferir e revisar a sua rotina de tempos em tempos para garantir que ela ainda atenda aos seus objetivos.

Os MVPs não precisam ser perfeitos e devem ser desenvolvidos com as ferramentas que você já possui. Eles são a manifestação mais básica de sua ideia ou produto. Ao desenvolver um MVP, concentre-se naqueles que você acha que são os recursos mais importantes. Mantenha a lista bem restrita e bem focada. Você pode adicionar recursos adicionais depois de testar o seu conceito. 

Um MVP simples também é útil porque você pode facilmente estabelecer ligações entre as suas ações e os impactos observados. Em outras palavras, espera-se que um MPV simples tornará mais fácil para os membros entenderem o seu produto e mais fácil para você interpretar como as pessoas reagem a ele.

Adotar um enfoque de produto mínimo viável  para a participação do público é valioso para testar as suas suposições sobre como os membros do público desejam participar, antes de destinar recursos significativos para o seu projeto, especialmente se uma versão completa do caminho de participação exigir novas ferramentas ou novas funções. Nossa equipe de pesquisa oferece conselhos adicionais sobre como projetar um MVP na seção sobre  mentalidade de produto (Vá para “Como adotar uma mentalidade de produto?”). 

Quando o MPP usa a palavra “versão”, estamos nos referindo a uma “tentativa”. Aqui está um exemplo: se você está experimentando convidar membros para organizar e comandar eventos para outros membros, como o La Silla Vacia faz, cada evento organizado por membros, ou uma série de eventos organizados por membros, seria uma versão ou tentativa. Você deve conduzir uma retrospectiva após cada tentativa. 

Quando a Radio Ambulante decidiu lançar clubes de escuta para ajudar a construir uma comunidade mais forte em torno de seu podcast, ela começou com 20 pilotos liderados por membros da sua equipe. Eles usaram esses pilotos para resolverem os problemas e desenvolverem as suas melhores práticas. Depois de terem uma compreensão razoavelmente boa dos componentes essenciais para um clube de escuta bem-sucedido, eles criaram um manual para quem quisesse hospedar seu próprio clube e o distribuíram para ouvintes em todo o mundo, capacitando-os a realizarem o seu grupo de discussão em torno do podcast.

 

Como a Radio Ambulante criou rotinas para construir uma comunidade

Ao capacitar seus ouvintes para organizar clubes de escuta, a Radio Ambulante ampliou o alcance de sua comunidade.

A fase de avaliação é tão importante quanto a fase de elaboração. Uma retrospectiva bem feita após o lançamento de cada edição é o que o ajudará a avaliar aquilo que deu certo, aquilo que não deu, mas provavelmente dará certo se você fizer algumas alterações, e aquilo que não está funcionando e não deve ser repetido (Vá para “Como adotar uma mentalidade de produto” para melhores práticas e conselhos sobre como conduzir uma retrospectiva).

É útil nesta fase retornar aos seus resultados esperados e avaliar se o projeto de fato os realizou — em outras palavras, avaliar se o que você achou que seria bom realmente deu certo. Uma retrospectiva também pode ajudá-lo a identificar quem deve ser responsável por executar a rotina. 

Na fase de retrospectiva, você pode decidir não continuar com este projeto de participação específico, porque ele não funcionou suficientemente bem. Não há problemas nisso. Se essa for a sua conclusão, você deve passar algum tempo identificando quais fatores contribuíram para este resultado, e procurar pistas sobre o que tentar a seguir. Mas se o projeto fez muitas das coisas que você esperava, então ele é um projeto de alto valor, e vale a pena transformá-lo em uma rotina. Com o tempo, você conseguirá compreender quais tipos de participação são viáveis ​​para o seu veículo e quais são os públicos que você atende. 

O verdadeiro teste para saber se o caminho de participação se transformou em uma rotina de membros é verificar se esse caminho de participação se manteve mesmo em meio a notícias imprevisíveis ou de alta intensidade. O que acontece com a participação do público durante um momento de notícias quentes e inesperadas é o que separa as redações verdadeiramente voltadas para membros daquelas que veem o engajamento do público como uma estratégia principalmente de distribuição.